A Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA Museu e Campo ocupa uma área central em Itu, interior do estado de São Paulo, onde por muitos anos funcionou uma indústria têxtil com relevância histórica e cultural para a região. O espaço é hoje a sede da Associação para a Futura Fundação Marcos Amaro e abriga o acervo do colecionador e artista que dá nome à instituição. Pensada para a produção, contemplação, fomento da arte e, também, para a apresentação da produção do artista Marcos Amaro, a FAMA é uma ferramenta de disseminação da arte contemporânea.

MISSÃO
Preservar e fomentar a memória e a experiência artística contemporânea em Itu e região

VISÃO
Transformar a Fábrica São Pedro num território sustentável de arte e cultura

Associação

A Associação para a Futura Fundação Marcos Amaro é uma organização cultural privada sem fins lucrativos. Como missão, tem o intuito de incentivar a produção artística contemporânea e difundir a obra de Marcos Amaro, artista e colecionador. Para isso, conta com um programa de exposições realizado por meio de edital bienal de apoio a artistas, além da premiação anual de destaque para a melhor produção criativa na SP-Arte e o prêmio aquisição na ArtRio. Promove debates e projetos especiais de apoio a instituições culturais e museológicas. A destacar o Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, no Rio de Janeiro, em que a Associação atuou na adequação da reserva técnica e espaço expositivo, permitindo que o museu atinja uma excelência na preservação, conservação e apresentação da obra de Arthur Bispo do Rosário – artista de grande relevância para a história da arte brasileira no século XX.

A  Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA Museu e Campo ressalta sua relevância social por meio do conceito de museu território, expandindo-se pelo interior do estado de São Paulo. Com sede em Itu, é uma instituição museológica fora do cubo branco. O cenário é o estado bruto da antiga Fábrica São Pedro – que hoje atua como um oásis cultural no centro da cidade.

Na sua relação museu território e paisagem, também cria um espaço inovador para a escultura que extrapola os muros e leva arte da cidade para o campo, com o FAMA Campo – um museu a céu aberto para interferências escultóricas integradas à natureza.

CONSELHO

Marcos Amaro
Presidente

Marcos Amaro nasceu em São Paulo, SP, em 27 de setembro de 1984. É empresário, mecenas, artista plástico e cidadão de Itu. Estudou economia na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e formou-se em filosofia pelo Instituto GENS de Educação e Cultura. Como desenhista e escultor, realizou exposições em grandes museus e centros de cultura pelo Brasil e participou de feiras internacionais, como SP-Arte, Art Basel e Art Zurich. À frente da Associação para a Futura Fundação Marcos Amaro e do museu Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA), apoia projetos de arte e cultura. Também é idealizador da FAMA Campo, um museu de land art a ser inaugurado em Mairinque ainda em 2019. Atualmente, é conselheiro do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) e do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp).

Ricardo Resende
Curador

Mestre em História da Arte pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), foi diretor do Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza e do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional das Artes (Funarte), entre 2009 e 2010 e, na sequência, do Centro Cultural São Paulo (CCSP). Atualmente, é curador do Museu Bispo do Rosário, no Rio de Janeiro e da Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA Museu e Campo.

Raquel Fayad
Diretora Geral

Formada em Artes Plásticas desde 2008, estudou produção e gestão cultural. Participou de exposições coletivas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (2014); na Galeria Marta Traba – Memorial da América Latina, em São Paulo (2014); entre outras. Participou de residências em Sardegna, na Itália (2015 e 2016); e no Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba; e outros. Pré-selecionada para o Edital Mercosul 2016.

Ana Maria Belluzzo
Membro do Conselho

Natural de São Paulo, é Professora Titular de História da Arte na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, docente desde1971. Atua como pesquisadora e curadora independente. Coordenou o projeto “Arte no Brasil: textos críticos no séc. XX”, em “Documents of 20th century Latin America and Latino Art. A digital Archive and Publications Project” pelo Internacional Center for the Arts of the Americas, at The Museum of Fine Arts, Houston, (2006-2012). Desenvolveu o projeto do Museu do Descobrimento, Porto Seguro (2002). Dirigiu o Centro de Pesquisa do IDART, SMCSP (1980-81). Como curadora realizou mostras de artistas contemporâneos: Marcia Pastore na Pinacoteca (2019-20), Marcello Nitsche no SESC (2015), Maria Bonomi na Pinacoteca do Estado (2008), Hercules Barsotti no MAM SP (2004), Waldemar Cordeiro no MAC USP (1986). E curadoria de exposições históricas: Primitifs d’une nouvelle ère na Europalia em Bruxelles (2011), O Brasil dos viajantes no MASP e Centro Cultural de Belém, Lisboa (1994-5); Brazil Through European Eyes na Christie’s, Londres (1996); Thomas Ender no Brasil no MASP e MNBA, RJ (1997). Trabalhos publicados: Imaginário do Novo Mundo, Um lugar no Universo, A construção da Paisagem, integram a coleção O Brasil dos Viajantes, 3 v. (1a ed 1995); Carmela Gross, SP: Cosac& Naify (2000); Waldemar Cordeiro – Aventura da Razão (1986); Voltolino e as Raízes do Modernismo (1992). Organizou coletâneas: Modernidade e Vanguardas Artísticas na América Latina (1990) e colaborou em obras editadas por Aracy Amaral: Projeto Construtivo Brasileiro na Arte (1977); Grupo Ruptura e Arte Concreta (1998). Prestou consultoria à instituições artísticas participando do Conselho de Orientação Artística da Pinacoteca do Estado de SP (2002-10), Conselho do MAC USP (1986), Comissão de Artes Visuais da Fundação Vitae, SP (1989-91), Conselho Curador da TV Cultura (1996-2001). FAPESP. É membro da AICA e do Comitê Internacional de Historia da Arte.

Aracy Amaral
Membro do Conselho

Natural de São Paulo, SP, diretora da Pinacoteca do Estado (1975-1979) e do Museu de Arte Contemporânea da USP(1982-1986). Tem publicado livros sobre o Modernismo no Brasil, arte contemporânea brasileira e latino-americana, além de organização de antologias sobre arte brasileira. Mestrado na FFLCH-USP (1970), Doutorado na ECA-USP (1971), prof. Titular em Historia da Arte na FAU-USP (1988), onde é professor até 1990. Fellowship da John Simon Guggenheim Memorial Foundation, 1978. Curadora de varias exposições no Brasil e America Latina. Membro de Premiação do Prince Claus Fund, Haia, 2002/2005. Coordenadora de Rumos Itau Cultural 2005/6. Curadora na Trienal de Santiago, Chile, 2009, e na 8ª. Bienal do Mercosul, 2011. Reside em São Paulo.

Fábio Magalhães
Membro do Conselho

Museólogo e ex-curador-chefe do Museu de Arte de São Paulo – MASP –, exerceu vários cargos na administração pública, entre eles foi secretário adjunto da Secretaria de Estado da Cultura (2005 a 2007), diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo (1979 a 1982), secretário da Cultura do Município de São Paulo (1983), assessor especial da Secretaria de Estado da Cultura (1984 a 1985), secretário de Apoio à Produção Cultural do Ministério da Cultura – Minc –, presidente da Embrafilme (1988) e presidente da Fundação Memorial da América Latina (1995 a 2003). Foi curador geral das II e III Bienal de Artes Visuais do Mercosul, em Porto Alegre (1998 e 2001), curador geral da 4ª Mostra VentoSul e integrante do conselho curatorial da 5ª VentoSul em Curitiba. Magalhães integra os conselhos da Fundação Padre Anchieta, da Fundação Bienal de São Paulo, entre outros, e é Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte – ABCA – e do ICOMUS/UNESCO. Estudou História da Arte no Institut D’Art et d’Arquéologie de Paris.

Gilberto Salvador
Membro do Conselho

Gilberto Salvador é pintor, desenhista, gravador, escultor e professor. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Em 1965, realizou a primeira exposição individual na Galeria de Arte do Teatro de Arena em São Paulo, em um importante contexto político. Foi premiado com a medalha de ouro no Salão de Arte Contemporânea, em 1967. Participou de várias edições da Bienal Internacional de São Paulo. Realizou duas mostras individuais no Museu de Arte de São Paulo (Masp), em 1985 e 1995. Em 1999, instalou a escultura Voo de Xangô na estação Jardim São Paulo do metrô. A produção artística é caracterizada pela oposição entre gestual e o traço rígido, entre as formas orgânicas e inorgânicas, entre o movimento e o estático.

Marcelo Araujo
Membro do Conselho

Marcelo Mattos Araujo é Presidente da Japan House de São Paulo desde outubro de 2018. Foi presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Ministério da Cultura (2016-2018); Secretário de Estado da Cultura de São Paulo (2012-2016); diretor da Pinacoteca de São Paulo (2002-2012) e do Museu Lasar Segall (1998-2002). É graduado em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (1978), pós-graduado em museologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1983) e doutor pela Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2002). Foi membro do Conselho Executivo do ICOM Brasil (1994-2009), e atualmente é membro do Conselho da Fundação Bienal de São Paulo (onde ocupa o cargo de Primeiro Vice Presidente da Diretoria Executiva), do Conselho da Fundação Ema Klabin de São Paulo e do Real Patronato do Museo Nacional Centro de Artes Reina Sofia, em Madrid.

Patricia Rousseaux
Membro do Conselho

Patricia Rousseaux é diretora editorial da ARTE! Brasileiros e Cultura! Patricia tem especialização em Psicologia pela PUC – São Paulo, Coordenação de Grupos (Sedes Sapientiae), Gestão de Serviços Comerciais ((Harvard Business School-Executive Education) e Licenciatura em Pedagogia (Anhembi Morumbi)

PRÊMIO DE ARTE

O Prêmio de Arte Marcos Amaro é anual, nacional e destinado a um artista brasileiro ou estrangeiro. Tem como objetivo fomentar a produção artística contemporânea de artistas que têm a ambição experimental com a arte, a partir da inovação em técnicas, suportes e linguagens.

O prêmio nasceu em 2017, em parceria com a SP-Arte, em meio à 13ª edição do Festival Internacional de Arte de São Paulo, a partir da necessidade de valorizar e dar visibilidade para artistas brasileiros e estrangeiros. Nesta terceira edição, além da premiação no valor de R$50 mil, o artista desenvolverá um projeto expositivo inédito para a FAMA, em 2020, com acompanhamento curatorial de Ricardo Resende.

EQUIPE

Presidente
Marcos Amaro

Vice-presidente
Ksenia Kogan Amaro

Conselheiros
Ana Maria Belluzzo
Aracy Amaral
Dayse Souto
Fábio Magalhães
Gilberto Salvador
Marcelo Mattos Araújo
Patricia Rousseaux
Raquel Fayad
Ricardo Resende
Telmo Porto

Curador
Ricardo Resende

Cocuradora
Ana Carolina Ralston

Diretora Geral
Raquel Fayad

Assistente de Direção
Monica Ogaya

Produção Executiva
Andreia Vigo

Assistente de Produção
Franceli Moro

Diretora Financeira
Dayse Souto

Assistentes Financeiros
Dennis Lurm
Elze Nogueira

Documentação e Produção do Acervo
Tatiana Gonçales

Reserva Técnica
Marcela Tokiwa

Assistente de Museologia
Maurício Korgiski

Coordenadora do Educativo
Carla Borba

Assistentes de Coordenação Educativa
Stefanie Klein
Rafael Michelato

Mediadores do Educativo
Carina Cazi
Gabriel Matera
Jéssica Mendes
Larissa Rezende
Matheus Campos
Victória Siqueira
Gabriela Vieira
Rodrigo Nascimento

Design e Comunicação
Beatriz Almeida

Recepção
Thais Vaz

Produção
Matheus Alves

Coordenação de Limpeza
Célia Francisco

Serviços Gerais
Kin Wong
Luiza Lemos

EDITAL

O Edital de Ocupação Fábrica de Arte Marcos Amaro acontece a cada dois anos e tem como objetivo receber projetos de artistas e coletivos ativos no circuito de artes visuais, além de promover a arte contemporânea especialmente no interior do estado de São Paulo. O resultado do primeiro edital selecionou seis projetos para compor o cronograma expositivo de 2018 e 2019. Edith Derdyk, Eduardo Frota, Regina Parra, Rodrigo Sassi, Grupo Empreza e Pola Fernandez foram os nomes selecionados. O segundo Edital de Ocupação Fábrica de Arte Marcos Amaro tem o início das inscrições previsto para novembro de 2019, a fim de selecionar projetos para 2020 e 2021.

EDITAL 2018/2019

RESIDÊNCIA

Pautada na experimentação por meio da imersão, pesquisa e criação, o programa de residência artística da FAMA promove uma vivência capaz de gerar trabalhos multidisciplinares, integrados a diversas linguagens.

2016

A Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA Museu e Campo apoia a Residência Artística L.O.T.E (Lugar, Ocupação, Tempo, Espaço), criada em 2011, pelos artistas-educadores Agnus Valente, José Spaniol e Sérgio Romagnolo. Nessa edição, a FAMA recebeu 40 estudantes da Unesp, gratuitamente, para uma imersão artística de seis dias. Desse experimento, nasceu, em 2017, a exposição Trama e Veio, que reuniu obras dos artistas selecionados: André Schütz, Gabriel Marcondes Egestos, Luisa Almeida e Sandra Mazzini.

2017

Nesta edição, a Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA Museu e Campo apoiou a Residência Artística L.O.T.E na Serrinha, em Bragança Paulista. Com o propósito de imersão artística em meio à natureza, 45 alunos imergiram em um ateliê disponibilizado na fazenda para produzir e desenvolver trabalhos coletivos durante oito dias. Do experimento, os estudantes criaram projetos com diferentes suportes: pintura, fotografia, escultura e vídeos.

2018

No último ano, a FAMA abrigou a artista alemã Barbara Hindahl como a primeira residente estrangeira. Após 30 dias de imersão artística, ela produziu a instalação Raio Pó Luz, nos Velhos Galpões, disponível para visitação. Ainda nesse ano, a fábrica recebeu 40 alunos da Unesp, selecionados pelo Programa de Residência Artística L.O.T.E, para uma imersão em produção e vivência artística.