Performances e Ações – Exposição “Meios e processos”

Performances e Ações – Exposição “Meios e processos”
zweiarts

Performances e Ações – Exposição “Meios e processos”

08, 15 e 29 de fevereiro 

No mês de fevereiro a programação da FAMA contará com performances e ações do grupo de artistas da exposição “Meios e processos de criação” em cartaz até o dia 01 de março de 2020. As performances bem como as ações são desdobramentos das pesquisas desenvolvidas durantes os encontros de orientação realizados em 2019 com a artista Katia Salvany. 

 

O Projeto Meios e Processos realizado pelo Educativo da Fábrica de Arte Marcos Amaro representa o desejo da FAMA de estruturar um ambiente propício para a orientação, a partilha e a pesquisa em criação artística bem como promover o reconhecimento, projeção e inserção de artistas do interior paulista no circuito da arte.  Meio e Processo pretende possibilitar o aprofundamento na experimentação em arte dentro de um contexto de produção e reflexão alinhados com a arte contemporânea. O foco no artista e em seus processos de criação coincide com o desejo do Educativo FAMA de gerar espaços de compartilhamento de saberes tendo em vista a aproximação com metodologias e práticas poéticas de criação.

 



8 de fevereiro – sábado

17h00 – Performance “A experiência de vir ao mundo de uma maneira diferente da natural” de Thatiana Cardoso

Sinopse: A performance consiste em uma ação na qual a artista realiza um movimento repetitivo de enlaçar um varal de nylon vermelho que está anexado a sua cintura. Conforme a artista realiza a ação, o volume feito pelo varal enlaçado aumenta gradativamente, sugerindo o crescimento de um feto no interior do ventre materno.O deslocamento entre corpo e objeto é um tema recorrente em sua investigação, abordado muitas vezes em atitude dissimuladora. A artista pensa no utensílio como uma coisa viva, objeto que, ao submeter-se às vontades e necessidades do corpo, acaba tornando-se parte deste corpo.

Minibio Thatiana Cardoso: Formada em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (2016), onde também faz especialização em História da Arte: Teoria e crítica. Thatiana cria imagens ambíguas que borram suas identificações originárias como utensílios domésticos ao aproximarem-se  de uma imagem de partes do corpo humano. A artista relaciona-se com o utensílio como uma coisa viva, e propõe um olhar no trânsito entre a familiaridade e o estranhamento do mesmo e tem como suporte de suas investigações a fotografia, o vídeo, o desenho e a instalação.

 

17h30 – Projeção do Curta Flux de Nathália Favaro e Miki Yui

Sinopse: Flux” é um curta (25min), de um ensaio poético, traçando a jornada da artista pela Floresta Amazônica Brasileira e os encontros dela com os protagonistas da floresta e do rio. Imagens da floresta e do rio em sua dimensão infinita, histórias das pessoas que vivem em um compartilhamento mútuo com o seu meio ambiente, o filme relata a visão macro e micro da vida na floresta, mostrando o ecossistema que todos fazemos parte. Os protagonistas contam suas histórias únicas de vida enquanto trabalhando extremamente conectados com a natureza. O poeta no barco explica nossa vida surgindo a partir da água, o meteorologista (INPA / Max Planck Institute) que trabalha na ATTO (Torre Alta de Observação da Amazônia) e explica o ciclo da água e a relação entre nossa vida e as mudanças climáticas a partir de um ponto de vista científico. Uma estudante do IFAM explica sobre as PANC’s – Plantas Alimentícias Não Convencionais – e o impacto da produção e consumo de comida no nosso dia a dia, que é inseparável do meio ambiente. Todas as histórias circulam ao redor do fluxo de energia: o ciclo do carbono e da água. Esses elementos são não só nossa primeira fonte de vida como também regulam a condição do planeta. O meio ambiente é uma síntese de todos os fatores incluindo a nós mesmos. O filme questiona a nossa visão da vida neste planeta em sua entidade e convida a audiência a aprender sobre vida na sua verdadeira forma: em fluxo.

Este filme foi possível graças ao apoio do Goethe Institute São Paulo. A colaboração surgiu após a residência do LABVERDE em que ambos as artistas participaram. A residência ocorreu na Reserva Florestal Adolfo Ducke, em Manaus, Brasil, com o apoio de pesquisadores do INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e ao longo do Rio Negro, em agosto de 2018. O filme deu origem a uma plataforma online sobre sustentabilidade e mudanças.

 

Minibio: Nathália Fávaro é formada em Arquitetura e Urbanismo pelo Mackenzie, São Paulo e pela Universidad de Buenos Aires, Argentina, especializou-se em Design pelo Senac e em Cerâmica com Kimi Nii. Foi artista residente no EKWC – European Ceramic Workcentre na Holanda, em 2017, no Gaya Ceramics em Bali, Indonésia e Labverde, Brasil em 2018. Seu trabalho transita entre a escultura, o desenho e o vídeo, com temas relacionados ao equilíbrio, uso do espaço, deslocamento e território.

Minibio: Miki Yui é artista, compositora e musicista, natural de Tóquio/Japão. Vive e trabalha em Düsseldorf, Alemanha. Com formação em Artes Visuais, Miki Yui explora as zonas cinzentas de nossa percepção e imaginação, nos campos da música, desenho, instalação e performance. Seus trabalhos são exibidos na Europa e na Ásia. Desde 1999, ela é conhecida por sua abordagem minimalista e orgânica única. De um chiado delicado a um zumbido distante, sons eletrônicos e gravações de campo são tecidos em peças de música e arte com uma tensão narrativa, que são referências sutis aos existentes.

 

15 de fevereiro – sábado

17h – Performance “Diálogos entre o corpo e as curvas vestíveis” de Larissa Camnev

Sinopse: A performance se estrutura a partir de experiências da artista com as curvas que vestem seu corpo. A ação é mediada por peças vestíveis produzidas para o seu corpo, abarcando as três curvas que a vestem: a cava, o decote e o gancho. Trata-se de um desdobramento do processo de elaboração de uma peça vestível que compreendeu um outro olhar para o seu corpo. A proposta envolve diferentes usos, pela artista, das peças vestíveis.

Minibio Larissa Camnev: Artista visual e pesquisadora. Mestra em Linguagens, Mídia e Arte da Pontifícia Universidade Católica de Campinas com auxílio CAPES/PROSUC. Bacharelado e Licenciatura em Artes Visuais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Concentra sua produção e poética pessoal na linguagem fotográfica, investigando as relações corpo-espaço.

 

17h30 – Performance “Apostasia” de Alexandre Silveira com Bruno Trochmann e Kauê Garcia

Sinopse: Apostasia é uma ação poético-musical em três atos, que traça um percurso de entrada nos círculos do inferno dantesco, através de pequenos rituais com químicos e fogo, ativando memórias pessoais alienantes. No centro do nono círculo de dante, um livro representando toda a lei e toda a palavra mal dita, jaz como falso oráculo de toda a verdade. Através da força, que o fez cravar aos poucos o pesar em cada um de nós, retira-se a causa do martírio e molda-se novamente o rosto de barro para partir em rosto novo, em corpo novo.

 

Minibio: Alexandre Silveira é nascido em São Paulo, Brasil, em 1979. Graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio CEUNSP e desde 2010 desenvolve trabalhos em artes visuais nas mais variadas linguagens. Entre as exposições que participou destacam-se sua primeira exposição individual “o peso da Terra” em Campinas no Museu da Cidade e a “Tempo Haverá” no Espaço Chão em São Luís do Maranhão no primeiro e segundo semestre de 2019, Mostra Verbo 2019 da Galeria Vermelho, SARP Salão de Artes de Ribeirão Preto de 2019. Em 2018 participou do SAAP em Araras, Exposição Contágio – Artes Eco-lógicas. Em 2017 o 45º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto em Santo André; Projeto Copyleft na Universidade Federal do Paraná em Curitiba no Paraná; SOAL – Salão de Outono da América Latina em São Paulo; Festival Temporal no Paraguai; Exposição coletiva no Ateliê Imprevisto em Sorocaba; XI Salão Nacional Victor Meirelles no Coletivo Nacasa em Florianópolis em Santa Catarina; Estranhamento do Real – ER RE na Casa da Xiclet em São Paulo, entre outras.

Minibio: Bruno Trochmann é artista visual e músico, bacharel em Artes Visuais pela UNICAMP e mestrado em  Linguagem, Mídia e Artes pela PUC-Campinas, onde estudou a obra e  pensamento do artista americano Henry Flynt. Foi organizador do evento  e selo de música experimental TUDOS ativo de 2013 até 2015. Atualmente organiza o selo e evento de música SIRENE, ativo desde 2016.

Minibio: Kauê Garcia é um artista visual da cidade de Campinas/SP. Atualmente é mestrando em Poéticas Visuais pela Unicamp e graduado Artes Visuais pela PUCCAMP. Participou de exposições como: O que não é floresta, é prisão política (2019-Galeria Reocupa – São Paulo), Verbo (2019 – Galeria Vermelho – São Paulo), 51 SAC (2019 – Pinacoteca – Piracicaba), Lugar Algum, Lugar Nenhum (2019 – Casa do Lago – Campinas) FIME (2016 – CCSP – São Paulo), Contramão (2015 – Galeria Eduardo Fernandes – São Paulo/SP), 1º Frestas – Trienal de Artes (2014 – Sesc – Sorocaba), Multitude (2014 – Sesc Pompéia – São Paulo), 14º SNAI (2013 – Itajaí/SC), 24º Mostra da Juventude (Sesc Ribeirão Preto), entre outras.

 

29 de fevereiro – sábado

17h –  Performance “Para parir meu avô” de Silvana Sarti

Sinopse: Na impossibilidade de conhecer seu avô paterno a artista dedica sua poética para recriar sua imagem, através de uma única foto encontrada com familiares. Desenhando-a em um tecido de algodão, inicia seu “contato”, a partir daí assume a identidade do avô e transita no espaço da fábrica, dando vida e presença, ao ser amado, provando que matéria, espaço e tempo, são infinitos na arte.

Minibio: Artista visual e performer. Formou-se em Desenho pela Faculdade Santa Marcelina em 1989 e Letras pela UNISO em 1985, “Pintura, restauro e conservação”, “Centro Europeo per i Mestieri del Patrimonio” 2009 Thiene/ Itália, onde viveu de 2003 a 2013. Participou de: Processos de criação em artes visuais, Fábrica de Arte Marcos Amaro, grupo de estudos com Katia Salvany, 2019. Laboratório Dois Dois, Cosme Damião como porta de entrada ao devir criança de T. Hijikata. Zona Laboratorial Butô. Thiago Abel, SP, 2019. Incubadora de Performance, Sesc Sorocaba 2018