Programação de talks da 15ª SP-Arte

Programação de talks da 15ª SP-Arte
zweiarts

Programação de talks da 15ª SP-Arte

Nos últimos meses preenchemos lacunas importantes no acervo da Fundação Marcos Amaro. Do Barroco à Arte Contemporânea. De Aleijadinho a Tunga, de Almeida Júnior a Luiz Zerbini.

Também adquirimos a propriedade que abrigou no século XIX a Fábrica São Pedro, segunda mais antiga tecelagem do estado de São Paulo.

Com isso, avançaremos com segurança em nossos projetos (editais, programa de residência, ateliês coletivos e oficinas), sobretudo no interior de São Paulo.

Investimos em instalações e infraestrutura, entre espaços expositivos, administrativo e reserva técnica, do complexo industrial recém batizado como FAMA (Fábrica de Arte Marcos Amaro). Assim, queremos nos tornar um espaço referencial para História da Arte Brasileira.

Contamos com o seu apoio e visitação em nosso destino.

Marcos Amaro
Presidente da FMA

05 de abril

16h às 17h | A iniciativa privada no setor cultural

Especialistas convidados discutem caminhos possíveis para o intercâmbio entre os setores privado e institucional. Com a presença de Marcos Amaro, artista e presidente da Fundação Marcos Amaro, Silvio Frota, colecionador e fundador do Museu de Fotografia de Fortaleza, e Ricardo Pessoa de Queiroz, fundador da Usina de Arte (Pernambuco).

17h às 18h | O papel do patronato no acervo do museu

Cleusa Garfinkel e Ana Eliza Setúbal falam sobre colecionismo e sobre como o acervo museológico pode se beneficiar de doações de obras de arte, promovidas por grupos de patronos. A mesa conta com mediação de Gisele Kato.Cleusa Garfinkel e Ana Eliza Setúbal falam sobre colecionismo e sobre como o acervo museológico pode se beneficiar de doações de obras de arte, promovidas por grupos de patronos. A mesa conta com mediação de Gisele Kato.

06 de abril

16h às 17h | Políticas de identidade da América Latina

Paulo Miyada, curador do Instituto Tomie Ohtake e curador-adjunto da Bienal de São Paulo 2020, se aprofunda em tópicos históricos do estudo da arte latino-americana, abordando-os por um viés alternativo. A mesa conta com mediação da chilena Alexia Tala, curadora do setor Solo, focado nesta edição na América Latina.

17h30 às 18h30 | A instituição de arte na contemporaneidade

Benjamin Seroussi, da Casa do Povo, e Fernanda Brenner, do Pivô, comentam suas experiências à frente de instituições artísticas de formatos inovadores. Em complemento, a artista Graziela Kunsch fala sobre a produção artística que transita entre diferentes ambientes – do institucional ao informal.

07 de abril

11h às 12h | Brasil desamparado e a cidadania em construção

Josué Mattos, vencedor do Prêmio Marcantonio Vilaça na categoria curadoria, conversa com Clarissa Diniz, curadora que o acompanhou durante seu processo de pesquisa para a exposição “Verzuimd Braziel – Brasil desamparado” (2018).

15h às 16h | Para onde vamos? Inovações no mercado de arte

Os últimos anos têm se mostrado de grande transformação no mercado artístico, e com esse crescimento vem também novas fronteiras de prática e desdobramento. Carol Pino, representante do mercado latino-americano da Artsy, e Fernanda Feitosa, diretora da SP-Arte, discutem os potenciais de transformação do mercado de arte, em específico na América Latina. A mesa tem mediação da pesquisadora Ana Letícia Fialho.

16h30 às 17h30 | Novas narrativas curatoriais no Brasil

Os antropólogos Hélio Menezes e Lilia Schwarcz, do time curatorial da mostra “Histórias afro-atlânticas” (Masp), e Diane Lima, curadora do Valongo Festival Internacional da Imagem (2018), comentam sobre a inclusão de artistas até então excluídos da narrativa canonizada da história da arte.