Meios e processos de criação

Meios e processos de criação
Beatriz Sant'Ana

Meios e processos de criação

Orientação Katia Salvany

Para Henri Matisse (1869-1954) nunca foi fácil pintar. Em seu processo criativo, ele refazia inúmeras vezes suas telas na tentativa de chegar àquela que ele chamava de “pintura real”. Assim nasceram várias de suas importantes obras, como Natureza-Morta com Compota (1899). Já Pablo Picasso (1881-1973) gostava de experimentar o desenho da forma mais realista possível para, a partir dele, simplificar seus traços, como vemos na célebre Bull (1945), em que o mestre cubista desconstrói em trípticos três espécies de touros em finos traços. Esses dois exemplos reforçam a ideia de que o processo de criação não é apenas um meio para se chegar onde queremos, mas também uma dimensão da arte de cada um, tão importante quanto o trabalho terminado. Tal caminho a ser percorrido foi a proposta do curso Meios e Processos de Criação, ministrado pela artista e professora Katia Salvany, na Fábrica de Artes Marcos Amaro, e que dá origem à coletiva homônima em cartaz na instituição.

A trajetória dos 19 artistas que compõe a exposição na FAMA cruzou-se neste mesmo museu, em Itu, e desdobrou-se ao longo de oito encontros, dando origem a trabalhos inéditos. Em comum, tais criativos são paulistas, nascidos nas cidades do interior ou mesmo na própria capital, e trazem como referência suas percepções do mundo que os rodeia. São eles Alexandre Silveira (Campinas); Dagô (Itu); Eliete Della Violla (Sorocaba); Fábio Florentino (Iperó); Gil (Sorocaba); Ilana Wajcberg (São Paulo); Bella Tozini (Cabreúva); Isis Gasparini (São Paulo); Larissa Camnev (Campinas); Lídice Salgot (Piracicaba); Luhly Abreu (Itú); Malu Pessoa Loeb (São Paulo); Marília Scarabello (Jundiai); Nathalia Favaro (São Paulo); Raffa Gomes (São Paulo); Silvana Sarti (Sorocaba); Stenio Oliveira (Campinas); Tangerina Bruno (Porto Ferreira) e Thatiana Cardoso (São Bernardo do Campo).

Se nos processos esses artistas tiveram grande troca, nos suportes utilizados eles caminham por direções variadas. De pinturas a performances, passando por esculturas, desenhos, fotografias, videoarte e site specific, cada autor apresentou à curadoria uma rica gama de pensamentos e propostas, que elencou apenas um exemplar para contextualizar suas respectivas vivências na Fábrica, estabelecendo sempre uma relação entre o espaço usado durante o processo e sua obra final. Bem-vindos aos diversos caminhos da criação.