José Spaniol

José Spaniol
Beatriz Sant'Ana

Ascensões e Firmamento

José Spaniol

Trabalhos realizados entre 1980 e 2016 compõem esta mostra, conferindo ao conjunto um olhar retrospectivo. Ao rever cada um, chamaram a atenção obras que, no passado, pareciam resultado de pura exceção, mas, hoje, fazem parte de uma mesma ordem geral de composição. Sendo assim, percebi que seria possível reconfigurar as afinidades que já existiam.

O ponto de partida para a seleção de trabalhos foi a exposição Arte e Espiritualidade, realizada em 2010 no Mosteiro de São Bento, em São Paulo, em conjunto com os artistas Carlos Uchôa e Marco Giannotti. As obras em exibição interagiam com a arquitetura do edifício, especialmente em relação à altura das salas e à profundidade dos corredores, sempre indicando um determinado ponto de fuga. Semelhante à perspectiva, destacavam relações espaciais impregnadas de virtualidade. Assim como na Fábrica de Arte Marcos Amaro, onde os galpões centenários também estão impregnados de um distanciamento virtual, deslocando o visitante a um espaço de retiro. 

Firmamento, palavra que designa sustentação, alicerce ou fundamento, refere-se também ao céu. Na primeira acepção da palavra, seu entendimento parece tratar de coisa, de objeto; na segunda, de espaço. Esse sentido “flutuante” oferece, simultaneamente, um padrão e também a sua ressalva. Enquanto caracteriza um objeto e sua função, oferece uma medida. Por outro lado, quando faz pensar no espaço entre os planetas, em uma ordem que nunca se fecha, refere-se a algo dinâmico, em transformação e que desaba constantemente sobre nós: o céu.

Juntamente com a ideia de ascensão, os trabalhos abrem caminho para uma especulação em torno de temas como verticalidade e espelhamento; reverberação e equilíbrio; projeção e queda – daí a instalação no eixo vertical da sala. Despertam um sentido aéreo na maneira de olhar para o espaço, sugerindo uma perspectiva que aponta sempre para cima. No alto, mesmo a poucos metros de distância, os aspectos físicos dos objetos tornam-se menos definidos, envoltos em uma virtualidade engendrada pela sua suspensão. Olhar para o alto cria sempre certa vertigem, dissolve os limites, promove instabilidade, um pequeno desconforto. Como no espelho, objetos escorados no alto adquirem novo sentido. Em sua posição habitual são reconhecidos e reafirmam nosso mundo palpável. Já postos no alto, criam inconsistência, tornam-se tênues pelo enfraquecimento de suas referências espaciais.

Além dos objetos cotidianos, há outro conteúdo que participa de modo decisivo na criação das peças: as imagens, que emergem de um determinado ponto de vista e a ele estão ligadas. Sugerem ao observador um modo de olhar para a obra. 


José Spaniol

Pintor, desenhista, gravador, escultor e professor