Aquilo que foge

Aquilo que foge
Beatriz Sant'Ana

Aquilo que foge

Bailarina e coreógrafa Babi Fontana apresenta Aquilo que Foge

A bailarina e coreógrafa Babi Fontana se inspira nas memórias de sua avó, e sobre aspectos da obra Eu Não, de Samuel Beckett, para a criação do espetáculo AQUILO QUE FOGE. Após apresentações em São Paulo e Rio de Janeiro, o solo, que é uma dança-instalação e se funda na pesquisa da voz como gesto, faz sessões gratuitas nos dias 4 e 5 de outubro,  sexta-feira às 19h e sábado às 18h, na FAMA – Fábrica de Arte Marcos Amaro, em Itu.

Com colaboração artística da coreógrafa carioca Dani Lima e paisagem sonora do DJ Dallanoras, a dramaturgia de AQUILO QUE FOGE foi construída em colaboração de Victor Costa, com quem Babi Fontana trabalha em diversos projetos e com quem dirigiu o longa-metragem Outras Derivas (exibido recentemente no 13º Festival de Cinema Latino Americano).

Segundo Babi Fontana, o solo tem o desejo de investigar o “gesto da fala” trazendo à cena memória, falas e gestos que ressoam no corpo. Uma coleção de biografias sonoras povoadas por paisagens faz parte do espetáculo habitado por interrupções, repetições e ausências. Em AQUILO QUE FOGE a coreógrafa cria uma espécie de inventário de vozes. Para isso, o espaço cênico com o chão branco traz dezenas de caixas de sons de variados formatos ligadas por um emaranhado de fios. Das caixas saem vários depoimentos de diferentes pessoas que contam sobre vozes que sentem saudades.

“A ideia é experimentar o discurso e o não-discurso através de diferentes linguagens, movimentos, sons e gestos. Mais precisamente: a ideia de identidade como construção narrativa”, explica a bailarina e coreógrafa.

AQUILO QUE FOGE integra o projeto Não mais eu não, contemplado pelo Edital Proac 2018 Concurso de Apoio a projetos de espetáculo inédito e temporada de dança no estado de São Paulo e também faz apresentações na cidade de Porto Feliz nos dias 25 e 26 de outubro, às 19h, na Estação das Artes.

Sobre Babi Fontana

Coreógrafa, bailarina e pesquisadora que nos últimos anos vem desenvolvendo trabalhos que se fundem na fronteira entre a dança o cinema e as artes visuais. Mestranda em Artes da Cena pela Unicamp (SP), e pós-graduada na Faculdade de Dança  Angel Vianna (RJ) em Corpo, Educação e Diferenças. Recentemente estreou seu longa metragem Outras Derivas, em colaboração com o roteirista Victor Costa, no 13 Festival de Cinema Latino-americano. Foi convidada para apresentar em 2019 seu trabalho Colisões na Fábrica de Arte Cubano, em Havana  – Cuba e recebeu em 2018 o Prêmio Proac de Produção de Espetáculo Inédito e Temporada de Dança. Colaborou com os artistas Dani Lima, Cristian Duarte, Marcio Abreu, Denise Stutz, Alex Cassal, Fernando Belfiore, Esther Arribas e Anne Leigniel. Além de cidades do Brasil, já apresentou seus trabalhos em Havana, Londres e Berlim.